Todo o nada que sobressai

 

Só uma luz, pode cumprir a sua função,

Só o ar pode passar…

Entre tudo o que foi ilusão,

Da vida que acaba por matar.

 

Um raio de sol, uma lágrima que cai,

Perguntas o óbvio que transparece,

Do nada que resta, do que lá vai.

 

Tudo o que é parece,

Todo o nada que sobressai,

Tudo o que é nada e que se esvai

Tudo se sente… tudo se tece… tudo cai.

 

E agora que a tempestade passou,

Fica o sentir mais perto.

Pensas que mentes e assim,

Levas um sentimento certo.

 

Agora que os dias findaram,

Nesta brisa que não é tua…

O ar que nos separa,

Fica perto, parte… Decide a Lua.

 

Feio o tempo de indecisão,

Acabaram os tempos inglórios.

Resta o que fica profundo, no coração,

Feios, só os tempos decisórios.

 

Traição… não o sinto!

Será algo repartido?

Entre o que é e o que não é.

Seguro no que terá sido…

 

Paixão… quem pode dizer?

Algo partido…

Entre o meu mundo de fé,

Seguro? Não! Partido.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *