Tempestade

Iluminamos a escuridão,

Procuramos afastar os nossos receios,

Abrimos os olhos à solidão,

Enquanto buscamos outros meios.

 –

Escondemo-nos da tempestade,

Enquanto raios caiem lá fora,

O buraco que nos prende é saudade,

Do sol que se esconde agora.

 –

Tapamos os ouvidos com as mãos,

Recusamo-nos a escutar o barulho,

Os trovões que nos engolem serão,

Os monstros que nos envolvem num arrulho.

 –

Lutamos contra a noite sombria,

Que se arrasta e nos envolve,

Naquilo que nos mostra a luz do dia,

Que nos leva e nos devolve.

Sara Farinha

………..

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *