Parabéns Fernando Pessoa

Fernando António Nogueira Pessoa, nasceu em Lisboa a 13 de Junho de 1888, há 123 anos. O seu nome é uma homenagem a Santo António, cujo nome de baptismo é Fernando de Bulhões, com quem a sua família alegava ligações genealógicas. Nascido em Portugal, mas educado na África do Sul para onde a sua família se mudou após novo casamento de sua mãe, Fernando Pessoa começou a sua vida literária expressando-se na língua Inglesa.

Em 1934 publica a primeira obra em Português, depois de ter publicado três colectâneas de poemas em Inglês, que foram as únicas obras a vir a público ainda durante a sua vida. Falece aos 47 anos, a 30 de Novembro de 1935. O seu contributo para a Língua e cultura Portuguesa foi inestimável, e a sua natureza bilingue ajudou a divulgar a sua obra no Mundo.

……………

 

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem achei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê.
Quem sente não é quem é.

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo,
É do que nasce, e não meu.
Sou minha própria paisagem,
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só.
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo, «Fui eu?»
Deus sabe, porque o escreveu.

Fernando Pessoa

………….

I don’t know how many souls I have.
I’ve changed at every moment.
I always feel like a stranger.
I’ve never seen or found myself.
From being so much, I have only soul.
A man who has soul has no calm.
A man who sees is just what he sees.
A man who feels is not who he is.

Attentive to what I am and see,
I become them and stop being I.
Each of my dreams and each desire
Belongs to whoever had it, not me.
I am my own landscape,
I watch myself journey –
Various, mobile, and alone.
Here where I am I can’t feel myself.

That’s why I read, as a stranger,
My being as if it were pages.
Not knowing what will come
And forgetting what has passed,
I note in the margin of my reading
What I thought I felt.
Rereading, I wonder: “Was that me?”
God knows, because he wrote it.

Fernando Pessoa

© Translation: 1998, Richard Zenith
From: Fernando Pessoa & Co. – Selected Poems
Publisher: Grove Press, New York, 1998

…………

Artigos Relacionados:

http://blog.sarafarinha.com/2011/05/27/a-morte-chega-cedo/

http://blog.sarafarinha.com/2007/06/21/ha-doencas-piores-que-as-doencas/

………….

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *