Exposição ‘Plural como o Universo’ na Gulbenkian

No meio duma escuridão acentuada, os versos e as imagens de Fernando Pessoa são a luz que quebra o silêncio e, que moldam os nossos olhos à vida e obra do mais conhecido poeta português.

Texto inéditos, mobiliário pessoal, livros, cartas, fotografias e o sentimento de que tudo o que conhecemos de Pessoa, nunca será o suficiente para o conhecer.

Uma tarde bem passada, na exposição instalada na Gulbenkian em Lisboa, coleccionando mais uns pedaços da obra daquele poeta que muito me diz.

“Achei sempre que a virtude estava em obter o que se não alcançava, em viver onde se não está, em ser mais vivo depois de morto que quando se está vivo – em conseguir, enfim, qualquer coisa de difícil, de absurdo, em vencer, como obstáculo, a própria realidade do mundo.” Trecho do Livro do Desassossego de 02 Fevereiro de 1931.

ΦΦ

Artigos Relacionados:

Parabéns Fernando Pessoa

Participação na rubrica “O Livro” no blogue Viajar pela Leitura

Dia de “Nevoeiro”

ΦΦΦΦΦ

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *