Diário de Bordo: Um desabafo…

Aquele momento em que olhamos para um texto e percebemos que ele, simplesmente, não funciona. Dezenas de estratégias, milhares de pensamentos, tentamos compor tudo e, mesmo assim, não funciona. Sim, há casos que não têm mesmo solução, especialmente, se juntarmos mais do que um impedimento.

Podia recitar as técnicas de reescrita e revisão, falar de inspiração, convencer-me de que tudo tem solução. Tenho-os debitado a mim mesma inúmeras vezes ao longo dos últimos dias. Mas a verdade é (e aí vai mais uma pérola da sabedoria popular): o que não tem solução, solucionado está.

Reconheço as minhas falhas crassas: tentar colocar demasiadas coisas dentro do mesmo texto. Construir algo pensado em agradar aos outros. Deixar que o meu editor interior mande no negócio. Permitir que o autor saia do escritório e seja influenciado pelo que não deve. Deixar que a ânsia se apodere do resultado.

Acho que chegou a hora de avançar. Deixar este texto para trás. Assumir que, neste momento, não resulta. Aceitar um novo desafio.

Diz-se por aí que, o primeiro passo para a cura é admitir o problema (carregadinho de pérolas), espero que este seja o caso.

NEXT!

ΦΦΦΦΦ

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

3 opiniões sobre “Diário de Bordo: Um desabafo…”

  1. Quem trabalha com palavras, e tem como matéria prima essencial, uma boa dose de inspiração, está sujeito a tudo o que descreves. Bem vinda ao clube!!
    A mim também me acontece algumas vezes…Um conselho se o permitires: Quando isso te acontecer, larga a escrita, vai á livraria mais próxima e compra um bom livro…Lê-o, sem parar! Quando terminares, estás nova! Experimenta.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *