12 Meses/12 Contos: Conto de Julho de 2013

a dança sagradaJulho, o tempo embrulhado, o humor contemplativo, ou seja lá o que for, levaram-me até às ruas de um dos cemitérios mais conhecidos do mundo. Para lá dos muros do Père-Lachaise visita-se um mundo alternativo… pelo menos, é esta a sensação que tenho quando sou obrigada a entrar em qualquer cemitério.

Entendo o fascínio, mas não partilho a atitude despreocupada dos que se passeiam entre os monumentos funerários. Não me arrependo da visita, aliás, era ponto obrigatório de passagem e proporcionou algum material de escrita, mas prefiro ambiências mais vívidas.

E, no meio disto tudo, nasce a ideia e as personagens, as significâncias e o contexto. Um conto que ainda está em processo de revisão (e que deve permanecer assim por mais algumas semanas) e que toca o ciclo de vida e morte, o ouroboros, ou a sagrada dança que executamos até à exaustão.

Aqui ficam os progressos do Conto de Julho:

Inspirado em: É uma boa pergunta, sem resposta satisfatória. Talvez uma certa morbidez natural…

Conto: ‘A dança sagrada’

Palavras: 2.155 palavras

Progressos: A rever.

Sinopse: Quando sete pessoas se cruzam num cemitério é certo que todas trazem bagagem emocional. Sete vislumbres de destinos que se cruzam, mas não se tocam. Sete almas que deambulam, e não se encontram. Pelas ruas movimentadas do Père-Lachaise, muitos são os que se intersectam. Poucos os que compreendem porquê, num ciclo fechado de vida e morte.

Φ

Acompanhem este desafio na página ‘12 Meses/12 Contos‘.

ΦΦΦΦΦ

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *