Opinião: ‘Para Sempre’ de Susanna Tamaro

Dia #12_06 Agosto 2014Acho que já disse aqui… e aqui… mas nunca é demais repetir. Adoro as histórias de Susanna Tamaro. E, usando uma das minhas frases feitas (e repetidas até à exaustão): quando for grande quero ser assim.

‘Para Sempre’ é a história de Matteo, de vidas sofridas, de auto-destruição, de voltar à vida após a tragédia se abater. É dor, amor, esperança e o que se transforma em nós quando a vida nos prega partidas. São as respostas que procuramos, as escolhas que fazemos, aquilo em que nos tornamos e o que deixamos morrer… apenas para continuar a existir.

“É uma resistência à escuridão, uma oposição àquela noite misteriosa que está no fundo de cada um de nós, àquele negrume que, mais cedo ou mais tarde, nos espera a todos. É fácil, durante os dias de primavera e verão, afastar este espectro. Tudo é luminoso. Mas quando o Sol se retira e a escuridão desce com os seus dedos gelados, quando esses dedos nos tocam, recordando a nossa fragilidade, tudo se torna mais difícil. Somos frágeis bolas de cristal, basta um choque mínimo para nos estilhaçar. Quanto tempo é necessário para que estes estilhaços voltem a ser a bela esfera iridescente? Nenhum tempo que saibamos, porque nenhum fragmento é capaz de voltar a ser forma.” ‘Para Sempre’ de Susanna Tamaro

Adorei estas personagens. Não só Matteo, mas todas as outras, cada uma com as suas vivências, as suas penas e a busca por aquilo que é habilmente identificado como a luz de todas as coisas.

“Muitas vezes perguntei a mim mesmo se a solidão exaspera a sensibilidade ou se se escolhe a solidão porque se está exasperado pela sensibilidade.” ‘Para Sempre’ de Susanna Tamaro

Uma história (ou várias) sobre as perguntas que nos fazemos quando algo doloroso nos marca. O estado de sonambulismo em que existimos depois. O apagar da nossa centelha única que até ali nos sustentava através dos dias. O bater no fundo para, depois, decidir erguer a cabeça e procurar de novo ser-se o que se era antes da tragédia (mas numa versão melhorada)… todos estes temas que, para aqueles que gostam de uma boa análise das vivências humanas, transformam este livro em algo significante e tocante.

“Assim, na minha fragilidade, provavelmente havia também isto: não se deixar enganar pela vista. A visão seduz com a sua aparência de certeza. As pessoas veem as coisas e ficam convencidas que a realidade é apenas aquela, não se interrogam, não avançam porque se contentam com aquilo que veem.” P.35 ‘Para Sempre’ de Susanna Tamaro

Compreendendo um pouco a história de vida de Tamaro (ver aqui…) consigo perceber de onde veio a inspiração para uma série de eventos e pormenores, e isto, só veio consolidar aquilo que já pensava sobre as suas obras. Uma escritora cujas histórias me tocam profundamente e sempre me encontram no momento certo.

5 estrelas para ‘Para Sempre’ e muitas mais para a autora. E espero que as suas obras vos encontrem, tal como me encontraram a mim… desprevenida e na altura certa.

Mais uma vez me deparo com cinco páginas de citações. A coleccionadora de intangíveis que há em mim está para lá de extasiada. Como já repararam, deixo-vos aqui algumas… Mas tantas mais havia para partilhar…

“Aquilo que nos rodeia não é senão o espelho do que temos cá dentro.” ‘Para Sempre’ de Susanna Tamaro

ΦΦΦΦΦ

Gostaram deste artigo? Então subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

Ou

Conectem-se comigo aqui:

sarafarinha.wix.com https://blog.sarafarinha.com sara.g.farinha@gmail.com@sara_farinha  goodreads_Sara Farinha  facebook  google+ sarafarinha  Pinterest youtubetumblr-icon

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *