Opinião: ‘Fábulas’ La Fontaine

Este é o aspecto do meu exemplar de ‘Fábulas’ após leitura… as cores não têmFábulas qualquer significado, apenas a marcação das pequenas histórias que, por este ou aquele motivo, mais me agradaram.

Não posso falar desta ou daquela mini-história porque cada uma delas tem um significado muito próprio para quem o lê. Posso citar alguns desfechos que reúnem a essência de algumas Fábulas.

… Rapaz, vamos como dantes,                                                                         Sirvam-nos estas lições:                                                                                   É mais que tolo quem dá                                                                                 Ao mundo satisfações. (Fábula LXVII, ‘O velho, o rapaz e o burro’, p.121, Curvo Semedo

Cada leitor, em cada fase da vida, encontra enterrados nos livros algumas pérolas de sabedoria. Alguns trechos com os quais se identifica e outros que passa a vê-los e compreendê-los melhor. A cada um, os seus significados.

Podemos opinar sobre eles, discuti-los, argumentar em favor ou desfavor deste ou daquele mas, no final, interessa aquilo que levamos de nós próprios para a observação e a forma como experienciamos o mundo. É isso que confirma ou desmente aquilo que lemos e que nos ajuda a fazer encaixar as peças deste grande Mundo.

… Há muitos que, por mal pagos,                                                      Choram benefícios seus,                                                                             Porém se as partes se ouvissem,                                                                 Seriam eles os réus:                                                                                Dando pouco, exigem muito,                                                                         E até mesmo a escravidão;                                                                   Quem faz bem por seu proveito,                                                           Perde o jus à gratidão. (Fábula LXXIX, ‘O Homem e a cobra’. p.138, Costa e Silva)

Não posso falar de Fábulas sem transmitir que estas fazem parte da sabedoria popular. Muitas das suas partes, excertos e ideias, encontramo-las no dia-a-dia das pessoas comuns. São as eternamente repetidas, e gastas, que perdem o seu sentido de tão repetidas. São os vislumbres de um conhecimento mais profundo que se desgasta no corriqueiro do diálogo diário.

Foi reflexão mui subida                                                                              Esta que fez a raposa;                                                                                Que é loucura desmedida                                                                   Entrarmos em qualquer coisa                                                                   Sem ver se temos saída. (Fábula XLIII, ‘O leão doente’, p.89, Curvo Semedo

São pequenas histórias que exemplificam e personificam a natureza humana. Textos para serem degustados e apreciados.

A mil iguais fulanejos                                                                                         Lance a Parca a dura foice:                                                                               Querem encher-nos de beijos,                                                                           E o que dão, por fim, é coice! (Fábula XCII, ‘O urso e o amador de jardins’, p.157, José Inácio de Araújo)

Gostei e aconselho. E, na loucura, sugiro que experimentem criar algo do género (para os meus leitores-escritores). É difícil… Muito difícil.

Uma doçura afectada                                                                                         É fruto da hipocrisia.                                                                                          Sirva ao mundo esta lição:                                                                               Quem de aparências se fia,                                                                                Gosta da sua ilusão. (Fábula CXXV, ‘O ratinho e a mãe’, p.212, Curvo Semedo)

Links Importantes:

Jean de La Fontaine

Fábulas La Fontaine

::::::::::::::::::::::::::

Passem 2015 com os meus devaneios literários (e afins). Subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

::::::::::::::::::::::::::

Artigos Relacionados:

‘Quem disser o contrário é porque tem razão’ de Mário de Carvalho

‘The Little Prince’ by Antoine de Saint-Exupéry

‘A lista dos meus desejos’ de Grégoire Delacourt

Uma opinião sobre “Opinião: ‘Fábulas’ La Fontaine”

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *