Recursos do Escritor: Se desejas publicar, porque não publicas?

se-desejas-publicar-porque-nao-publicas

Em resposta a algumas perguntas, e cenas, recorrentes:

Ora, se o desejo é publicar, porque não publicas?

Não precisas de autorização alheia. Precisas, apenas, de vontade própria e muito trabalho (dou uma ajudinha com os artigos desta lista).

Perdi a conta a quantos contactos recebo todas as semanas com uma destas três coisas:

Pedidos para ler e opinar sobre textos alheios…

Como sabem, não é prudente abrir sequer um e-mail que contenha um texto alheio, sem que haja um acordo prévio de recepção/leitura que salvaguarde as duas partes… é que ser-se acusado de plágio, por receber cenas  que não solicitámos, e que nem sequer visualizámos, não tem piada. Mais sobre plágio aqui…

Pedidos de ajuda para verem os seus textos publicados

Se é esse o desejo, hoje em dia, não há nada mais fácil do que ser-se publicado em papel ou online. Algumas dicas, se as editoras tradicionais não são uma opção: publicação de autor, concursos literários cujo prémio, ou parte deste, é a publicação em papel, smashwords, wattpad, um blogue… é só escolher. Mais sobre plataformas de autor aqui…

E-mails sem mensagem de texto, com um dos pedidos acima, no título do e-mail ou com páginas, e páginas, de texto em anexo

A era do e-mail está quase no fim e as regras de composição do correio electrónico não existem para algumas pessoas… mas quem é que escreve o corpo do texto na linha de título do e-mail?!?!? Muitas pessoas.

E, quem é que envia a totalidade, seja do que for, para um desconhecido? A tua obra estimada, enviada na totalidade, para quê? Nem os escritores de obras intemporais foram reconhecidos à primeira leitura.

E, quem é que tem intenções sérias sobre a sua escrita, e não aposta em aprofundar os seus conhecimentos sobre o mercado literário e as suas ferramentas (como as redes sociais mais importantes, sobre as quais podem mais aqui…)?

Não tenho nada contra pedirmos ajuda, querermos ser lidos por beta/alfa leitores (mais sobre leitores de rascunhos aqui…), desejarmos conectar-mo-nos com pessoas de interesses semelhantes. Aliás, sou completamente a favor de aprendermos com os outros… Mas, há algumas regras de etiqueta a cumprir.

Por exemplo:

Explorar, primeiro, se a pessoa que desejas contactar está receptiva ao contacto.

Não ser abusivo ou insistente.

Ser cordial e tratar o destinatário com o respeito que merece (afinal, foste tu que escolheste contactá-lo, não o contrário).

Reconhecer, e aceitar, que a ausência de resposta pode ter vários motivos mas que, em última análise, é e será sempre um direito que assiste a pessoa.

Afinal, o nosso tempo é precioso… e, o dos outros, também o é.

Administro um outro blog em que solicito participações. Os textos publicados não são revistos, ou opinados por mim, seja de que forma for. Não acredito ser esse o meu papel pois, considero a poesia uma expressão demasiado pessoal, para ser criticada.

Os critérios de selecção são pessoais, prerrogativa minha como administradora do blog, em publicar aquilo de que gosto. E, solicito sempre, que declarem que querem participar na rubrica em questão.

É um cantinho que tem recebido muitos e diferentes autores, desde que cumpram os 3 critérios enumerados. Tudo o resto é apagado de imediato. Não há espaço para cenas dúbias e, felizmente, há muitos autores que compreendem o projecto e desejam participar.

Por aqui, no blog.sarafarinha.com… há de tudo.

:::::::::::::::::::::

Subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *