Recursos do Escritor: 7 formas de começar uma história

7 formas de começar uma história

Quando começa uma história?

Para o leitor, começa na primeira frase, no primeiro parágrafo, no primeiro capítulo.

Para o escritor começa muito antes, ou muito depois, disso.

Muito antes porque começa no delinear da história, na construção das personagens, nos apontamentos efectuados, nos excertos anotados. Começa no reunir de material que suporte a nossa escrita. No gerar, organizar e usar as ideias que temos.

Muito depois porque, muitas vezes senão todas as vezes, a nossa história começa numa outra frase qualquer lá para o início, meio ou fim do livro.

A frase inicial, não sendo a primeira frase a ser escrita, deve ser encarada como a mais importante. Uma primeira frase inesquecível é um instrumento poderoso. É uma anzol que só pode ser criado em consciência após completarmos a obra ou que deve, pelo menos, ser polida no fim do processo criativo.

A uma primeira frase inesquecível deve seguir-se um primeiro capítulo notável. Este é um início onde apresentamos o nosso mundo ficcional ao leitor, apresentamos personagens, colocamos a história em movimento, atraindo o leitor para aquele universo particular.

Actualmente, firma-se uma época em que os novos autores procuram afastar-se das regras que seguiam os Clássicos, e libertarem-se da tradição de iniciar/terminar uma história de certa maneira. Penso que procuram, também, libertar a literatura do estigma de ser aborrecida… porque muitos consideram os Clássicos aborrecidos e preferem formas mais leves de criar, e vender, uma história.

Sob esta perspectiva existem uma série de cuidados a ter com a forma como escolhemos iniciar a nossa obra. Estes são considerados verdadeiros “erros” a evitar se queremos agarrar o leitor logo ao início.

Mas, há muitas formas de se iniciar uma história. Algumas reconhecemos como inícios a evitar nos dias de hoje. Outras são dignas de explorar um pouco mais e trazê-las para a modernidade. E, outras ainda, são completos incentivos à nossa imaginação como escritores.

Assim, estas são as formas de iniciar uma história:

1. Uma história pode começar a meio de uma conversa

Não há nada melhor do que um Diálogo para podermos Mostrar algumas coisas, que não conseguiríamos introduzir com mestria, sem as Contar. Pessoalmente, sou fã desta abordagem inicial.

2. Uma história pode começar com a descrição de uma paisagem ou local que será a localização primária da acção

Eu sei! Esta frase remete-nos, automaticamente, para as descrições chatas de paisagens bucólicas que nos relembram momentos de luta intensa contra o sono. Não tem de ser este o caso.

A arte está em saber escrever, e manter o interesse do leitor, enquanto se apresenta o local que nos irá servir de cenário para partes importantes da acção.

3. Uma história pode começar com uma introdução do próprio narrador

Apresentar-se como o narrador da sua própria história, e fornecer detalhes mais, ou menos, pertinentes para o desenrolar da história, é uma abordagem directa que, por vezes, funciona muito bem.

Mais uma vez, não se pretende que o narrador embarque numa viagem autobiográfica, ou narcisística, onde nos Conta tudo o que quer mas, de excertos curiosos, ou com piada, ou mesmo crípticos que enredem o leitor desde a primeira frase.

4. Uma história pode começar com uma reflexão filosófica

Este é território muito controverso pois tende a ser a primeira escolha do escritor iniciante. Os filósofos tendem a ser pessoas de idade, com muitos anos de estudo, e muito espírito crítico. Os escritores veteranos têm muitos anos, leituras e  obras escritas, de treino que suportam alguns dos inícios mais bem conseguidos da literatura.

Se não se enquadram nestas categorias de seres humanos, evitem estes inícios como se fugissem da Peste. Começar com um cliché ou uma ideia que não compreendemos na totalidade é, sempre, um mau princípio.

5. Uma história pode começar colocando a personagem principal em grande perigo

Atirá-la logo para um acontecimento mortal, ou brutal, que nos faça seguir com atenção o desenrolar do desafio lançado.

A forma como a personagem se desenvencilha dir-nos-á mais sobre si, e sobre a história, do que qualquer outra cena.

6. Uma história pode começar com um enquadramento que explica como a história principal se revela

Uma cena que leva ao desenrolar da história principal como, por exemplo, no decorrer de uma festa acontece algo que se torna no enredo primário, ou incluir como cena uma descrição de algo para uma audiência ficcional, que informa o leitor do que se passa.

7. Uma história pode, numa abordagem muito pessoal e criativa, começar a meio de uma frase

A forma como esta se completa fica a cargo da vossa imaginação… Logo de seguida, mais à frente, no final. Mas, mais uma vez, é preciso cuidado com estas abordagens mais criativas. Por vezes, o que parece muito inovador é indicativo de desconhecimento de técnicas pré-existentes e formatos pouco cuidados.

Uma história pode começar quando, onde e como definirmos. O porquê do seu início, também, só ao autor diz respeito.

Mas, acima de tudo, importante é dar início à história.

::::::::::::::::::::::::::

Subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *