O que é Publicitar e de que serve a um Escritor

publicitar

Eles existem. Os que têm muita fama e pouca qualidade. Aqueles que têm a qualidade mas são ilustres desconhecidos. Os que gozam da dose certa entre trabalho e divulgação. E, os que detêm apenas o reconhecimento público.

Há de TUDO, para todos os gostos, em todos os ofícios.

Escrever não se faz apenas de Arte. Não existe, apenas, após Publicação. É necessário colocar os read more

Criatividade a Publicitar: o que me tem faltado?

Criatividade a Publicitar

Construí este blog, ao longo de 10, longos e turbulentos, anos… como podem ler no artigo sobre o 10.º Aniversário do Blog. Os tempos não acalmaram. A vida não ficou mais desafogada. Pelo contrário.

Agora, tenho uma filha com 16 meses que começou a caminhar há poucas semanas, estacionada, desde que nasceu, no percentil 85… e, eu, meço 1.55m e a minha saúde também deixou read more

Palavras Soltas: A (minha) Síndrome do Impostor

síndrome de impostor

Como escritores debatemo-nos amiúde com as complicações da mente. Da nossa e dos outros.

A nossa arte manifesta-se, exactamente, sobre as questões que colocamos, e as diferentes respostas que encontramos para as nossas escolhas tão humanas.

read more

Recursos do Escritor: Nunca os vossos Escritos foram tão bem acompanhados

recursos-do-escritor-canva-com-nunca-os-vossos-escritos-foram-tao-bem-acompanhados

Andas à porrada com o Photoshop? Com o InDesign? Com a falta de imagens que acompanhem os teus escritos?

Eu ando sempre numa luta com o Photoshop. Ou, melhor dizendo, andava.

Este é mais um Recurso que serve o Escritor, o Designer, o Blogger e o Publicitário que há em ti. Chama-se Canva.com.

Para mim, é o bom-gosto por encomenda… desde que não inventem muito.

Permite-nos criar capas para quase tudo o que existe por esse mundo fora. Capas de livros, Cartões de Visita, Logótipos, Posters, read more

Palavras Soltas: Agora, imagina que desejavas começar a escrever

começar a escrever

Imagina-te com setenta anos. Imagina que viveste uma vida de trabalho físico, sem grande contacto com a escrita. Imagina que sempre tiveste mais apetência para os números do que para as letras. Para ti, os números faziam sentido, tinham regras imutáveis. As letras, não. Apesar de sempre teres lido bastante, cingias-te a leituras sobre assuntos práticos. A vida havia sido demasiado prática read more