The Doors – As portas da percepção

The Doors – O mito de uma geração“, há vários dias que me persegue, não sei porque motivo… Ah! Chamam-se anúncios televisivos… E atenção dividida.

Como as minhas noites de cinema têm alternado entre escassas e inexistentes, decidi parar para reflectir um pouco sobre a mensagem (claramente subliminar) que o meu cérebro me tem enviado.

Podia dizer milhares de coisas sobre este filme (porque não sei precisar quantas vezes o vi), sobre os actores, os músicos, sobre o próprio Jim, as suas letras, poesias e mesmo sobre a banda como um todo. Mas o que me ocorre é o local para onde este filme me transporta. Relembra-me os dias de juventude, de espírito (in)domável. Os filmes são bons para nos fazerem sentir estas coisas.

Jim Morrisson é a personificação da liberdade. E não eram as drogas, o comportamento chocante, a infracção de leis ou as festas que me deslumbravam, era a liberdade de contemplar o Mundo e sentir que não se tem nada a perder. Era vê-lo a pensar” fora da caixa” (e contra a caixa), determinado em expandir a mente, para além do que a realidade nos impõe e, através de todos os meios necessários.

Ele foi um inadaptado, um eterno fugitivo da realidade porque simplesmente não aguentava a pressão (e há tanto disso por aí). E a arte (música) era um canal, um meio de se expressar, um escape perfeito.

Art is the true self-expression, the ultimate escapism used to free mind and soul.

Jim foi “dissecado” ao longo destes anos por todo o tipo de pessoas. Os seus comportamentos analisados à luz da lupa, as suas loucuras espremidas até se concluir tudo e nada, em simultâneo. Pessoalmente, e aqui cometo o mesmo erro, resumo a coisa assim: Jim foi um artista, com tudo o que isso acarreta, de bom e de mau.

O que aprendi com ele? Shit happens! OK, isto também, mas acima de tudo, que o sofrimento pessoal nos transporta para outro mundo, mas é preciso sabermos aproveitar o que há de melhor em ambos os mundos (o artístico e o real).

“If the doors of perception were cleansed, everything would appear to man as it truly is, infinite” William Blake

Espreitem este site (não resisti…)

……………..

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *