5 Melhores Práticas para uma Escrita de Sucesso

5 melhores práticas

Não vos direi para irem escrever.

Como fazê-lo sem qualquer prelúdio? Não, não vos vou mandar escrever mas, sintam-se convidados a fazê-lo.

Digo-vos, sim, que há métodos que podem ajudar a compreender, e realizar, esta actividade criativa de forma mais racional e produtiva.

É agora que vos peço alguma latitude para os meus argumentos e, paciência para traçar o paralelismo entre a Arte de Escrever e a Gestão de Projectos.

Porque podemos usar as bases de Gestão de Projectos para a prática dos nossos escritos.

Planear, implementar e controlar (monitorizar) é a chave do sucesso de qualquer projecto. Incluindo dos nossos projectos de Escrita.

Definir o Tempo, o Orçamento e Objectivos de Qualidade são processos que devem fazer parte das nossas práticas criativas.

Saber, exactamente, quanto tempo leva Pesquisa, Primeiro Rascunho, Meios alocados (como livros ou internet), e o género de história/obra que queremos criar, entre outros aspectos a planear, é determinante para a execução de qualquer projecto de Escrita.

Neste momento, oiço-vos (me) dizer:

“Mas o trabalho criativo não obedece (ou resiste) a tamanhos confinamentos de ordem!”

Depende. Grande parte das nossas práticas não são criativas per se, beneficiando de estratégias definidas e tempos regulados.

Se estivermos, efectivamente, interessados em desenvolver a nossa escrita, é bom que arranjemos as estratégias que nos levem a persegui-la com sucesso. E, isto, significa trabalho efectivo e real.

E, sobre isto podem ver este vídeo sobre como Haruki Murakami contemplou mudar de vida e ter sucesso na sua escrita…

Há ali uma série de processos e escolhas que nos ajudam a ver esta vida com outros olhos.

O Sucesso é definido de antemão, no âmbito de definição do projecto. A procrastinação é retirada da equação, por artes associadas a planeamento e execução. E, os processos são planeados, implementados e controlados, garantindo que atingimos o resultado que desejamos.

Claro que, ao aprofundar a ciência por trás da Gestão de Projectos, acabei a organizar melhor as minhas ideias criativas, e a efectuar a ponte entre esta área de conhecimentos e a minha própria prática criativa.

Agora, convido-vos a fazer o mesmo.

Como escritores, poetas, pintores, ou criativos, adoramos (mesmo) entregar tudo a uma qualquer musa caprichosa, adiando até ao infinito (e mais além) uma prática criativa regular, atirando os fracos resultados à culpa de uma falta de inspiração qualquer, temporária, e atribuindo maleitas a uma qualquer vitimização pessoal e/ou culpa de uma teimosa síndrome de impostor .

A verdade é que custa horrores manter um horário fixo de escrita, priorizar a nossa escrita sobre tudo o resto, forçar-nos a continuar a trabalhar quando um tempo de descanso sabia tão bem.

(Lembrete: até o tempo de descanso deve ser incluído na nossa gestão de tempo diária)

Mas, até quando vemos a nossa carga de trabalho habitual reduzida, acostumamo-nos a priorizar coisas que não nos fazem avançar nos nossos projectos pessoais.

Redistribuímos o tempo que achamos ter a mais de forma natural e, por isso, não nos focamos no importante.

Assim, e enquanto andava aqui às voltas com compreender uma metodologia chamada Lean, constatei que há vantagens em integrar estes conhecimentos na minha prática criativa.

Implementar a Metodologia Lean em Gestão de Projectos, serve quando temos recursos limitados, queremos reduzir desperdício e simplificar processos para maximizar benefícios.

É a Gestão necessária para colocar os nossos projectos em andamento.

A Metodologia Lean apresenta 5 pilares que a sustêm e que mantêm a casa limpa. Conhecidos como os 5S, que adapto aqui:

  1. Utilizar
  2. Organizar
  3. Limpar
  4. Padronizar
  5. Sistematizar

Na sua formulação original:

Metodologia Lean

 

Se considerarmos cada uma das nossas tarefas como um Projecto a ser gerido, seja escrever um texto, produzir um livro, gerir um blog, ou outros que tenhamos em andamento… podemos utilizar estratégias que nos possibilitem concretizar cada um deles com a medida de sucesso que determinámos.

Uma ferramenta muito útil para isto é o Trello. Funcionando numa lógica que nos aproxima de ordem nos nossos pensamentos e intentos, podemos organizar-nos com a sua ajuda. Mas, sobre isto, deixo para outro artigo.

Assim, as nossas 5 Melhores Práticas, utilizando o 5S são:

Organizar

 

  1. Organizar o que Utilizamos e Remover os Não Essenciais

Em quê? Tudo. O que é essencial para ti? Uma secretária? Um caderno? Um computador? Um dicionário? Uma imagem inspiradora? O que precisas para manter uma prática criativa? O que é essencial no teu espaço de trabalho? O que não podes dispensar? O que não te faz falta nesse projecto?

Organizar

 

  1. Classificar e Organizar com Simplicidade

Manter aquilo que usamos (físico ou virtual) organizado de forma simples e de fácil acesso.

Um dicionário online à distância de um clique? Um repositório de informação numa ferramenta online, ou num caderno físico? Um suporte lombar na cadeira que utilizamos? Uma garrafa de água sem disponível? E, tudo o que considerámos imprescindível no ponto anterior, está organizado?

Limpar

  1. Limpar, Manter no sítio certo. Definir processos e tempos de ocorrência.

Não apenas no ambiente físico como nos processos. Atribuir tempos e tarefas, frequência e atenção a anomalias imprevistas. Manter os espaços onde trabalhamos limpos. Manter as ferramentas que usamos a funcionar. Acompanhar o processo quando não somos nós a fazer uma determinada tarefa (como manutenção informática, por exemplo). Garantir que a manutenção é efectuada.

Normalizar

  1. Normalizar, Proceder da mesma forma.

Criar regras que permitam poupar tempo nas coisas básicas. Fazer sempre da mesma forma, servindo a normalização dos processos. Optimizar o tempo que temos para o projecto. Melhorar as nossas práticas. Tornar rotinas em projectos viáveis e realizáveis.

Hábito

  1. Formar um Hábito ou Disciplina

Instilar os hábitos de manter os procedimentos correctos e de nos auto-disciplinarmos. Assumir responsabilidades pelas diferentes fases do projecto, seus procedimentos e auditorias dos progressos e resultados. Reconhecer o que funcionar e o que precisa ser melhorado. Integrar a mudança neste processo para atingir o sucesso do projecto.

Porque acredito serem estas as Melhores Práticas para Gerir um Projecto Pessoal?

Primeiro,

porque nos ajuda a disciplinar-nos, criando hábitos e rotinas que favorecem a criação da nossa arte.

Segundo,

porque estabelecemos os essenciais em tempo, espaço e meios para executar a actividade da melhor forma possível. Produzimos mais e de uma forma melhor.

Terceiro,

porque reduzimos o barulho à nossa volta; ou reduzimos o lixo que acumulamos sem querer; ou reduzimos o desperdício de actividades que não servem a concretização dos nossos projectos.

Quarto,

porque ao melhorar a organização, reduzir o lixo, e focar no importante, melhoramos a qualidade e a disposição para perseguir essa qualidade.

Quinto,

porque nos sentimos melhores connosco próprios e com os resultados dos nossos projectos. A satisfação global proveniente do produto dos nossos esforços melhora a nossa vida e, consequentemente, o fruto do nosso trabalho.

 

Emagrecemos Processos, Optimizamos Recursos, e somos Pessoas com Práticas Melhores e Pessoas mais Felizes (e melhores?)

E, por aí? O que andam a investigar nas vossas artes?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.