Artesão ou Artista? Sê Extraordinário

 

artesão ou artista. sê extraordinário

Os franceses chamam-lhe je ne sais quoi. Os americanos preferem differentiating ou that little something that makes the difference. Os Ingleses categorizam como distinguished.

“Extraordinário” parece-me uma definição adequada.

anos que procuro compreender o que faz de uma obra de arte Arte. O que a torna excepcional? Quais são as características que a transformam em algo excepcional?

Para que, ao encontrar uns óculos caídos no chão de um museu, não assuma que é arte. Não seria a primeira.

O que é uma obra Extraordinária?

É o artista, que a cunha ao seu jeito? É a educação formal que a faz crescer? É a aprendizagem informal que a molda?

É o acaso que empurra um artista para um determinado caminho? É a escolha consciente do caminho que se quer seguir?

É a quantidade que determina o atingir da qualidade? É a inspiração fortuita que leva a produzir isto ou aquilo?

É a família de onde saímos? A cidade que habitamos? O país em que nascemos que influencia a obra?

Sermos Mulher ou Homem? Com menos, ou mais, idade?

Termos dinheiro? Vivermos do nosso trabalho criativo? Ou, de outro trabalho qualquer?

O que é, realmente, o factor diferenciador entre uma obra ordinária, normal, sem nada demais, e o extraordinário?

Suspeito que dependa de como combinamos em nós as duas facetas do artista. Como juntamos a Técnica do Artesão e o Conceito do Artista.

Interessa-me, como sempre, perceber quais as acções, a mentalidade, e as práticas daqueles que exercem a sua mestria de forma a criarem algo que nos faz explodir o coração e a mente. Aqueles que produzem aquela obra, aquela ideia, aquele conceito, seja em que material ele se materialize, que me transcende como indivíduo.

Biografias, documentários, observação de pessoas e obras, são as minhas fontes de pesquisa.

Não nos conectamos realmente a um trabalho que é assim-assim, que é mais ou menos bonito, que não compreendemos bem, ou que compreendemo-lo todo ao primeiro olhar. Acho que as pessoas são assim. Precisam sempre de um je ne sais quoi para se ligarem, de verdade, a algo ou a alguém. Chamamos-lhe Amor. Chamamos-lhe Qualidade. Chamamos-lhe Técnica. Chamamos-lhe uma quantidade enorme de coisas para designar apenas uma: Extraordinária.

O que tenho aprendido, enquanto investigo o que nos diferencia, e às nossas produções artísticas, é:

A individualidade tem um papel fundamental na expressão física das nossas artes.

Cada um desses seres, que produziram obra extraordinária, conjugaram Artesão com Artista. E, com base nas pessoas que são, e nas experiências que tiveram, e nas coisas a que foram expostos, imbuíram a obra de algo, de um significado mais profundo. É essa individualidade que produz o Extraordinário.

É por isso que é tão importante explorarmos a técnica, praticarmos tanto quanto nos for possível, e estudarmos tudo o que nos pareça útil e/ou relevante.

Só podemos produzir Significados se eles existirem dentro de nós. Só conseguimos fazê-lo de uma forma correcta se estudarmos as Técnicas que usamos. Só teremos hipóteses de produzir algo extraordinário se o Extraordinário existir dentro de nós.

Algo poético, e meio frufru, aqui. Mas, acho que vocês estão aptos para isso.

O Extraordinário, e a sua produção artística, não existe por acaso. É a junção de um conjunto de circunstâncias, de predisposições, e de trabalho devoto que se combina na perfeição, para produzir a Obra de Arte Extraordinária.

Concordas? O que tens feito para alimentar a tua Arte e o teu trabalho Extraordinário?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.