O que faz um génio?

A minha primeira lição aprendida sobre escrita, e sobre a criação em geral, foi:

Escreve com o Coração.

O excesso de Racionalidade atrapalha o processo de Criação. E, ensinou-nos a História que, foram as loucuras de alguns indivíduos que constituíram o impulso de criação genial. Fossem loucuras do género de desarranjo mental, ou induzidas por substâncias estranhas, ou provocadas por inadequações sociais, read more

www.saidadeemergencia.com

Charlaine Harris em Portugal com data confirmada

“A Saída de Emergência  convidou Charlaine Harris a vir a Portugal no próximo dia 12 de Março e ela… aceitou.

Este será provavelmente o maior acontecimento do ano ao nível da literatura, pois Charlaine Harris é a 5ª autora mais vendida nos EUA no ano de 2009 e a maior bestseller a visitar Portugal nos últimos anos.

Charlaine estará cá durante 4 dias, e estará disponível para read more

Fernando Pessoa_Vários

“Tudo que existe existe talvez porque outra coisa existe. Nada é, tudo coexiste: talvez assim seja certo..”

“Possuir é perder. Sentir sem possuir é guardar, porque é extrair de uma coisa a sua essência.”

“De sonhar ninguém se cansa, porque sonhar é esquecer, e esquecer não pesa e é um sono sem sonhos em que estamos despertos.”

“Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que read more

O Livro do Chá – Kakuzo Okakura

“… Os nossos padrões de moralidade são retirados de necessidades passadas da sociedade, mas deverá a sociedade manter-se sempre igual? A observância de tradições comunais implica um sacrifício constante do indivíduo ao Estado. A educação, para poder acompanhar o poderoso engano, encoraja uma espécie de ignorância. Não se ensinam as gentes a ser realmente virtuosas, mas a comportarem-se convenientemente. Somos ruins porque estamos terrivelmente conscientes de nós próprios. Nunca perdoamos aos outros porque sabemos estar nós próprios enganados. Alimentamos uma consciência porque tememos dizer a verdade aos outros; refugiamo-nos no orgulho porque tememos dizer a verdade a nós próprios. Como havemos de tratar o mundo com seriedade quando o próprio mundo é tão ridículo!…”