Sugestões para o fim-de-semana… e não só

sugestões para o fim de semana

Agora que estamos, de novo, em confinamento geral e que nos encontramos a gerir mais um período indefinido de coisas mais ou menos próprias para as nossas sensibilidades normais… também conhecido como: uns dias compriiiiidos feitos de montanhas-russas emocionais… ocorreu-me sugerir algumas actividades para mudarem os humores.

os marretas
Statler e Waldorf dos Marretas (os implicantes)

Com perfeita noção que estou a tentar superar (mais) um período em que não sei bem o que fazer, em que me sinto perdida no meio de tudo o que tenho em mãos, e na necessidade de encontrar uns momentos em que posso me abstrair do que me rodeia (de formas que não me façam sentir pior comigo mesma do que me sentia antes de uma dada actividade…) criei esta lista pessoal de coisinhas cuja simples ideia me traz felicidade.

MY LITTLE BOOK OF HAPPY THINGS
My Little Book Of Happy Things by WOODGEEK

Assim, sugiro:

1. Ler livros, procurar livros, ouvir falar sobre livros, arrumar livros…

vá, esta última significa segurá-los, não tanto arrumá-los. Até porque o espaço escasseia para arrumar… Às vezes a mesa da sala fica assim… Mas, só quando estou a tentar encontrar alguma ordem no caos.

livros para ler
O dia em que decidi organizar os livros por hashtags… reviro os olhos neste momento

 

Ou quando preciso ter noção do que vou ler a seguir…

livros para ler
aquele momento em que reuno todos os livros que ando a ler… a passo de caracol.

 

Enfim, actividades que envolvam livros costumam colocar-me num estado de espírito mais leve. Não apenas lê-los, apesar desse ser o foco principal, sendo que estou a meio de, ou terminei, uns quantos bem interessantes…

Leituras de Janeiro
Alguns livros de Janeiro de 2021

 

… mas, também, procurar outros que tenho tentado adicionar à minha lista de livros para ler. Com o resumo dos livros que li em 2020, procurei inspirar-me para incluir outras leituras que sinto ter negligenciado no ano passado. A cena de escapismo desta realidade pandémica, através de determinados géneros literários, tem muito que se lhe diga, não concordam?

Entretanto, e devido a estas pesquisas, arranjei mais uma, ou duas, wishlists num site livreiro e estou a coleccionar títulos para mais tarde adquirir. Há algo nas cópias físicas de certos livros que nunca serão superados por qualquer leitura digital. E, há certos livros que, mesmo se os leio em digital, acabo por reforçar a minha intenção em arranjar a cópia física. Nunca o meu minimalismo chegará aos meus livros do coração.

E, foi com uma leitura espectacular, encontrada numa das actividades que tanto gosto (sobre a qual podem ler aqui) e que me dói tanto ter perdido quase por completo no ano que passou, que descobri um vlog que muito me tem entretido: *E M M I E*

Lisboa - Rossio
Praça do Rossio na Baixa Lisboeta

2. Encontrar uns podcasts, vídeos, vlogs, audiobooks… interessantes é uma actividade em si mesma.

Mas, depois, é enfiar uns phones nos ouvidos, com cancelamento de ruído se possível, e seguir a fazer coisas enquanto se ouvem outras mais interessantes. Ou sentar-me em frente a um ecrã e ver qualquer coisa, no meu caso, relacionada com livros ou auto-ajuda inspirada…

The Walking Dead
hiding from The Walking Dead

 

Tenho-me esforçado por me manter afastada das Redes Sociais. Sinto-me debilitar com tanto ódio destilado que encontro por lá… Um bom limite de consumo saudável é impreterível para me manter sã e, depois de umas eleições presidenciais tão esquisitas, e do comboio de dor e confusão que surge nas notícias (verdadeiras e falsas), estou pronta para me libertar por uns momentos… até porque, vem aí o #the100daychallenge que requer 100 dias de partilha de Instagram… e, lá se foi a minimização do tempo nas redes sociais.

don't freak out
o pânico, o caos, o horror…

3. Ver uns documentários e umas séries no vosso serviço de streaming de eleição

Passo a vida a sugerir programas para verem. O último foi o Less is Now, sobre o qual podem ler mais aqui… E, neste ponto a ideia não é consumir tudo o que fica disponível, mas procurar ser deliberado naquilo em que usamos o tempo que temos.

Por aqui, continuo a ver Bridgerton… mas, cheguei à fase dos episódios um pouco mais explícitos, e a minha miúda insiste em ficar a brincar ao meu lado… não vai acontecer! Por estes dias, mantê-la ocupada numa divisão diferente daquela onde estou, por mais de uns minutos é impossível. Por isso, prefiro conteúdos mais inócuos para uma criança de 4 anos, um compromisso necessário nestes dias de extrema união doméstica.

welcome to apocalypse
Bem-vindo ao Apocalipse

4. Uma prática que me tem mantido sã, e cuja ideia me traz felicidade, é journalling.

Sim, tem havido dias de difícil gestão, já que o meu rebento insiste em cair da cama cada vez mais cedo e isto dificulta a prática. Nota mental: Novo Desafio que consiste em contar quantas vezes ela grita mãe, num só dia. Isto vai ser divertido!

Como o meu horário de escrita começa bem cedo, a cada dia, não facilita quando a miúda decide levantar-se, mesmo se podre de sono, só para ficar na mesma divisão em que eu estou…

where is the bunker
Onde está o bunker?

Manter uns quantos journals, um horário de escrita, um ritmo e um espaço para estar em silêncio e sozinha, tem sido uma prática que vale cada minuto. Mas, o meu conselho para quem ainda não se dedicar a esta prática é: vejam este vídeo primeiro ou leiam este livro primeiro… ou o que precisarem pesquisar sobre o assunto e, depois, experimentem.

E, fico por aqui. Deixem os vossos comentários em baixo. Aceito sugestões sobre como encontrar outras actividades para estes dias… e, já sabem, se souberem de promoções de livros, avisem.

***

Não se esqueçam de subscrever o blog por e-mail e recebem, todos os Sábados, um vislumbre exclusivo sobre os bastidores.

Obrigada e Até Breve!

 

2 comentários em “Sugestões para o fim-de-semana… e não só”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.