Curiosity killed the Cat

Curiosity killed the cat”. That’s what they tell us when we are being overly pushy (by someone standards) about something. I don’t know if the cat appreciates the comparison, but I do know that I don’t.

It seems rather extreme to eliminate something just because it got too curious. Isn’t it better to ask what we don’t know? Is it better to let others read more

Feira do Livro de Lisboa. Nem a chuva resiste…

Um passeio numa tarde chuvosa de Domingo, animado pela completa absorção pelo ambiente que nos rodeia. Livros, livros e mais livros, e árvores e uma multidão de pessoas, crianças e cães. Todos gostam da Feira do Livro, até a chuva.

Difícil é ir à Feira do Livro e controlar o dinheiro que sai da carteira. E é tão fácil perdermo-nos neste novo conceito de Feira read more

Memórias de Infância na Feira do Livro

Mais um ano, mais uma feira do livro no Parque Eduardo Sétimo. Lembro-me de ser miúda e deste programa familiar ser um dos mais agradáveis do ano, em concorrência directa com a Feira das Mercês e a Feira da Luz (ah pois é! os passeios culturais das multidões durante a pré-existência de Centros Comerciais).

Recordo-me que vinha de lá de rastos, mas bastante animada read more

Em busca da felicidade

Encontrei este texto, no blog de Pedro “Metafizica”, sobre a Felicidade. Datado de 21 de Fevereiro de 2006. Diriam que é antigo? Nah! É do mais actual.

Uma explicação dos “quês” e “porquês” desse sentimento tão fugaz que é a Felicidade. Uma contemplação sincera sobre as nossas acções, reacções e conclusões.

Um excerto read more

Morreu porque parou de stressar ou parou de stressar porque morreu?

Usamos a palavra stress com displicência. Usamo-la nas conversas do dia-a-dia, brincamos com o conceito e banalizamos os seus efeitos. É fácil relativizar o que nos acontece quando não consideramos a gravidade duma situação. Cada um de nós tem uma resistência ao mundo exterior, um sistema de auto-defesa que assume a liderança naqueles momentos menos agradáveis.

Quando read more

Sem pressão! Hoje é Sábado.

As sextas-feiras são sempre aqueles dias muito complicados, em que tudo o que apetece fazer depois do dia normal de trabalho, é ir aparvalhar (chamem-lhe descontrair) para qualquer sítio. Normalmente acompanhada de amigos, boa conversa, boa comida e bebida, larga-se algum do “peso” emocional adicionado durante a semana.

A sexta-feira é dia de expirar profundamente, read more

Arrasar o egoísmo dos homens

Atiramos uma pedra a um lago, agitamos a água de tal forma que tudo o que existe nas proximidades é afectado por esse acto. Agitamos as águas e isso pode ser bom, pode significar mudança. Mas um maremoto não é uma coisa boa, o que até pode ser debatível se considerarmos que a mãe natureza tem mecanismos de defesa muito próprios e pouco gentis para com os Homens.

Na nossa perspectiva, egoisticamente read more