A Palavra para 2018

A palavra para 2018

Definir uma Palavra para o novo ano que aí vem ajuda-nos a focar as nossas acções naquilo que queremos mudar, naquilo que queremos que aconteça.

Ela permite-nos criar uma intenção para o ano que se aproxima e avisa o Universo que é isto que queremos Fazer/Ser/Ter.

Como surgiu esta ideia da Palavra Anual Orientadora?

Há três anos decidi experimentar um desafio criativo que me pareceu interessante. Havia descoberto uma pessoa que tinha uma forma muito criativa de se apresentar ao mundo e, como parte do seu negócio, havia desenvolvido um pequeno guia de orientação na escolha da Palavra Anual, começando por uma coisa à qual acho muita piada: Meditação.

Comecei esse desafio, sem muita convicção, e acho que nunca acreditei que seria um desafio para ficar. Valia o que valia... mas, realmente, só vale aquilo que nos inspira a fazer. Click To Tweet

Infelizmente, a meditação não parece ser a minha cena mas a Palavra Anual é.

A caminho do quarto ano, continuo a escolher uma Palavra para o novo ano que se aproxima, e aprimorei um bocado o processo.

De tantos desafios curiosos, e divertidos, que tenho experimentado e criado ao longo dos anos, foi este que melhor se concretizou e, por isso, tenho investido em aplicá-lo e simplificá-lo de uma forma mais pessoal.

Como é que um desafio divertido se transformou numa actividade anual essencial?

No primeiro ano, final de 2014, estava um bocado perdida. Apesar do barco da banalidade realista e pragmática já ter zarpado há muito tempo sem mim (basicamente, desde que publicara o meu livro de Ficção/Fantástico/Ficção Científica/Romance Psicológico/Ocultista) eu continuava convencida que não era assim.

Havia encontrado este blog, duma senhora que dizia gerir um negócio centrado no coração, e que falava de algumas coisas que eu tinha tentado incorporar na minha vida (sem grande sucesso, diga-se de passagem) como Meditação.

Comecei a pensar em que Palavra poderia fazer sentido o ano todo? Qual era a escolha perfeita? Esqueci, ou tentei, essa coisa da perfeição e optei por aquela que parecia fazer mais sentido naquele período da minha vida.

Saída de uns 2013 e 2014 de quebra, sofrimento e confusão… desemprego (apesar de ter sido o período mais prolífico da minha escrita), divórcio e abandono generalizado, procurava uma direcção para 2015… e reaprender a voltar à minha Arte e divertir-me de forma criativa.

Por um lado, ainda sentia vergonha em perseguir desafios que pudessem ser considerados fúteis. Mas, para quem não tem sonhos, os sonhos alheios são todos fúteis. Click To Tweet

Como reza a história de um senhor muito conhecido:

“Someone’s opinion of you doesn’t have to become your reality.” Les Brown

“A opinião de alguém sobre ti não tem de se tornar na tua realidade.”

Por outro lado, sempre me diverti à brava a perseguir estas coisas que me enchem a Alma. Porque escrever é imaginar e, se não temos espaço mental para brincadeira e diversão, como podemos escrever/criar alguma coisa?

Com isto dito, entrei em 2015 convicta que precisava Cuidar do que restara de mim, e da minha vida que era, afinal, o mais importante.

Assim, nasceu CUIDAR.

Foi um ano espantoso em que a Palavra não poderia ter sido outra. Aprendi a Cuidar de mim, da minha família, das minhas obrigações, e de tudo o que me era querido, e tinha sido desprezado por falta de espaço mental. Cuidei tanto que gerei algo de que valia a pena CUIDAR. Podem ler tudo sobre Cuidar aqui…

E, como Cuidei, FLORESCI.

Em 2016 FLORESCER pareceu ser a Palavra ideal. O ano em que nasceu a minha filha. O ano em que prosperar e florescer, no sentido de multiplicar, gerar, criar, foi o sentimento que predominou. Podem ler tudo sobre Prosperar aqui…

Mas, ao FLORESCER, compliquei. Não, esta não foi uma palavra para o final do ano, mas levou a que em 2017 optasse por SIMPLIFICAR.

No final de 2016 havia uma necessidade crescente de tornar simples as rotinas e a minha forma de estar.

Surgiu, assim, a Palavra SIMPLICIDADE como guia para 2017.

Muito me tem servido a SIMPLICIDADE. Acreditem. Tem sido o factor que faz a diferença no aceitar desta nova realidade pessoal de maternidade. Sim, sim, pontinhos para quem a maternidade assenta que nem uma luva, ou que contribuem para o tabu de aceitar todas as dificuldades, e não falar… Isso, nunca foi para mim. Tem havido coisas difíceis de aceitar, especialmente, na Saúde que me restou.

Podem ler algumas coisas sobre Simplicidade aqui… e o Balanço de final do ano sobre a minha busca pela Simplicidade aqui…

2017 tem sido um ano de esforços feitos no sentido de Simplificar, de tornar a vida Simples, Minimizar e, nos últimos seis meses, MINIMALIZAR. Desde limpezas de objectos inúteis, a roupas que nunca mais voltarão a servir, e rotinas que precisava mudar, muito tenho trabalhado no sentido de descomplicar as complicações que um bebé traz para a vida pessoal e familiar.

Para os meses finais de cada ano acho que começamos a ter ideias sobre o que queremos/precisamos que o próximo ano seja. Pelo menos, tem sido essa a minha experiência.

Depois de fazer os meus exercícios, e arrumar umas quantas possibilidades, cheguei à Palavra ou, no meu caso, expressão que se manifestará este ano.

2018 será o ano do CRESCIMENTO CRIATIVO.

Que bem preciso!

Podem acompanhar tudo no Pinterest e no Instagram.

E tu? Já escolheste a tua Palavra para 2018? Qual é?

::::::::::::::::::::::::::

Subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

3 comentários em “A Palavra para 2018”

  1. Amei as dicas de palavras, minha professora contou sobre essa ideia de ter uma palavra para trabalhar e focar ao longo do ano e eu amei, estou pensando em várias palavras que posso usar em 2018 mas não consigo definir uma. Sei que tem que vir de dentro essa escolha, mas as suas dicas me ajudaram a ter uma luz. Bom ano!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.