Opinião: ‘O Velho que lia Romances de Amor’ de Luís Sepúlveda

o velho que lia romances de amor

Há anos que penso nesta história como uma das minhas favoritas de todos os tempos. Porquê? Tenho vários argumentos e muitas suspeitas sobre os motivos…

A minha cópia deste livro é de 2002, a 19ª edição. Não sei precisar quando o li pela primeira vez, mas foi, claramente, a seguir a 2002. Li-o nos meus 20’s e cativou-me desde a primeira página, quando comecei a perguntar-me para onde poderia ir uma história destas. read more

Diário de Bordo: Abril de 2020

Diário de Bordo

Há quanto tempo não escrevo um destes? Não sei. Perdi-lhe a conta.

Mas, os Diários de Bordo são importantes. São os check-ins que preciso para ganhar perspectiva sobre o que tenho feito e, como isso, serve o meu Trabalho Criativo. read more

Opinião: ‘História de um caracol que descobriu a importância da lentidão’ de Luis Sepúlveda

capa_PauloGalindro

‘História de um caracol que descobriu a importância da lentidão’ foi o primeiro livro comprado para a minha filha na Feira do Livro deste ano. Aliás, costumo dizer que foi o primeiro livro que ela comprou.

Como aficionada que sou dos livros de Luis Sepúlveda, como podem ler aqui, aqui e aqui, ando há bastante tempo a aguardar a oportunidade de ler estas suas obras mais… posso chamar-lhes metafóricas? read more

Opinião: ‘Uma ideia de felicidade’ de Luis Sepúlveda e Carlo Petrini

uma ideia de felicidade

Carlo Petrini convida Luis Sepúlveda a escrever sobre a felicidade. O sociólogo italiano que fundou o movimento Slow Food (sobre o qual podem ler mais aqui…) numa conversa animada com Luís Sepúlveda, o mais conhecido escritor chileno, teria sempre algo de interessante.

Mais, quando partem de uma premissa em comum: a necessidade de abrandar o ritmo, ou o conceito de equilíbrio, ou… o caracol. Este é o princípio de “Uma ideia de felicidade”. read more

Diário de Bordo: Actividades Literárias de… é melhor não fazer contas

Diário de Bordo

Ah e tal, aquela coisa de falta de tempo, pouca paciência, muitas confusões, enfim… Já lá vão uns meses desde o último Diário de Bordo e está na hora de usar o poder da retrospecção, para me responsabilizar, e tentar redefinir o presente.

Assim, começo pelos meus Escritos Publicados: read more

Opinião: ‘A sombra do que fomos’ de Luis Sepúlveda

A sombra do que fomos

Mais uma vez nos deparamos com um retrato da história Chilena e, mais uma vez, somos confrontados com os efeitos da passagem do tempo para aqueles que a esperança desiludiu e a luta fez definhar.

Com um sabor fortemente político e uma reflexão humana profunda ‘A sombra do que fomos’ leva-nos, com uma gargalhada ou duas e vários sorrisos, através da experiência de vida das personagens que sobreviveram (ou sucumbiram) a um período político conturbado. As suas histórias são feitas pelo amargo de boca dos que concluem que a vivência presente, se justificada pelo passado, não é feita de nada mais do que sonhos. read more

Um passeio na 83ª Feira do Livro de Lisboa

feira do livro

Só pedia que não chovesse. A meio da tarde agradecia as nuvens que cobriam o sol ou teria esturricado no calor. Foi um belo passeio na (83ª!!!) Feira do Livro de Lisboa.

Uma tarde cheia de livros, com a calçada portuguesa bastante desimpedida de pessoas, apesar de haver uma quantidade saudável de compradores que acartavam os seus sacos com visível orgulho (e cheia das malditas raízes, na sua rede de obstáculos subterrâneos, que desafiam a saúde de qualquer tornozelo mais desavisado), soprava uma brisa agradável e os preços dos livros convidavam a perder um bocadinho a cabeça… E haja convite à diabetes! O próprio ar cheirava ao doce do algodão, dos gelados e da ginja. read more