Artigo #500 no Blogue ‘Sara Farinha’

Criado em 2007, este meu cantinho virtual tem sido a tela de muitas histórias, de inúmeros desafios e um vislumbre deste mundo.

Hoje, 22 de Novembro de 2012, publico o artigo #500. A responsabilidade inerente a este facto levou-me a ponderar em coisas como o objectivo deste espaço, a vivência diária deste projecto, as mudanças cíclicas que influenciam os conteúdos e, acima de tudo, a dedicação que envolve. read more

Diário de Bordo: Actividades Literárias das Últimas Semanas

Passaram dois meses e qualquer coisa desde o meu último Diário de Bordo de Actividades Literárias. Muito tem acontecido, aqui por estes lados, como decerto têm seguido através dos artigos deste blogue.

Começo pelo futuro…

Dia 29 deste mês celebra-se um ano de vida pública do meu primeiro livro ‘Percepção, uma estranha realidade’. Em jeito de comemoração estou a preparar uma pequena surpresa, que revelarei em breve. Aproveito para relembrar que podem visitar o universo de ‘Percepção’, no blogue dedicado na íntegra a este livro, e adquiri-lo através dos contactos disponibilizados por lá. Vejam mais aqui… read more

Diário de Bordo: Actividades Literárias das Semanas 19 & 20

Mais duas semanas passaram a correr. Muito deste tempo despendi-o entre escritos, doenças, leituras e outros acontecimentos mais ou menos relevantes para este artigo. Focando o essencial, quero deixar a minha impressão pessoal sobre estes últimos dias:

Porque raio é que só quando olhamos para trás é que verdadeiramente vemos o que aconteceu? Beats me! *shrug* read more

Diário de Bordo: Estratégias (falhadas) de pesquisa

Por vezes dou comigo dedicada a projectos parvos. Não daquele tipo de coisas que não se consegue voltar atrás, mas daquele género de ideias que inicialmente me parecem boas e que poderiam resultar. Na maioria dos casos acabo por constatar que devia ter escutado a minha opinião formada sobre o assunto, mas não é por isso que deixo de avaliar um desafio.

Nestas situações a minha curiosidade costuma vencer a minha racionalidade. O projecto parvo a que me refiro (sim, porque gosto de ter coisas destas frequentemente) consistia em algo tão simples como: comprar uma daquelas revistas dedicadas ao público feminino para poder estudar como se criam títulos que atraiam leitores. read more

Google+ A nova arma da Google

A 28 de Junho deste ano a Google lançou a rede social que pretende fazer frente ao tão mediático Facebook. Infelizmente o número de convites distribuídos e os acessos atribuídos foram demasiado limitados para termos sequer um vislumbre do que lá vem. Google+ depressa excedeu a sua capacidade de utilizadores e a possibilidade de registo nesta nova rede social depressa acabou.

Uma espécie de pré-registo encontra-se em funcionamento aqui, mas na prática o máximo que podemos fazer é ler sobre a nova plataforma e aproveitar a visita guiada. read more

Exposição Pública e Redes Sociais, com grande poder vem grande responsabilidade

Eu quis saber o que era esta coisa toda do Social Media e o que fazer com ele. E hoje decidi criar dois perfis, em duas aplicações tão diferentes que ao início fiquei aqui a moer o juizo se seria mesmo boa opção. A primeira chama-se LinkedIn e a segunda Twitter. E sim, eu sei que todos nós sabemos o que isto é, ou temos uma ideia mais ou menos definida do que deve ser, ou mesmo não fazemos a mais pequena ideia, mas sabemos que há um sem número de pessoas que usam e aconselham. E outras tantas que se registaram mas não usam. E ainda muitas outras que acham que esses sites são o diabo em forma de página de internet.

Pessoalmente, descobri que só depois de experimentar é que se consegue ter uma visão ampla do que estas páginas são, e para que servem. E quando digo utilizar, não me refiro a ver os perfis dos outros, ou a ler as instruções da “coisa” ou mesmo a procurar opiniões sobre a utilidade dessas páginas. Quando falo em utilizar, refiro-me mesmo a entrar na página, criar um perfil e pesquisar as funcionalidades do monstro. read more

E onde está o público???

Escrever um post requer conhecimentos diferentes de escrever um romance, um conto, ou mesmo um artigo num qualquer site de crítica literária, por exemplo. As ferramentas são diferentes, a linguagem é diferente, as ideias devem organizar-se de forma diferente e mesmo o aspecto do texto deve ser diferente.

Um romance conta uma história, seja ficção ou não ficção. Inclui personagens construídas com objectivos, inclui um enredo composto por um desafio, um conflito e a resolução do mesmo, alonga-se por vários capítulos necessários para a construção da história e o seu sucesso depende em muito da inteligência pessoal e emocional do autor. read more