Escrever pseudo-cenas, assumir cagadas e o poder dos egos alheios

Escrever pseudo-cenas, assumir cagadas e o poder dos egos alheios

Vale a pena continuar a Escrever? Não. Sim. Talvez.

E, assim, se faz um livro com esse mesmo título “Vale a pena?” Erudito, não é? read more

Mais umas pedras no caminho

mais umas pedras no caminho

Acho que todos nós, de tempos a tempos, nos sentimos desiludidos com a vida que escolhemos. O tempo que empregámos, numa determinada arte, persegue-nos como se aquelas horas fossem feitas de ressentimentos que não podemos evitar.

Por vezes, estes bloqueios arrastam-se durante dias, meses ou anos. read more

Palavras Soltas: Obrigada

obrigada

Achei apropriado agradecer a todos aqueles que me visitam, comentam e partilham os conteúdos deste meu cantinho virtual.

Neste Dia Internacional do Obrigado quero deixar o meu Obrigada por 9 anos (leiam tudo sobre o 9.º aniversário do blog aqui…) e uns meses (quase uma década!!) de blog.sarafarinha.com. São as vossas visitas que me ajudam a continuar. read more

Palavras Soltas: Bob Dylan, o Nobel e a minha canção

bob-dylan

Bom, quanto ao premiado com o Nobel da Literatura… diz que foi tudo ao lado. Dos cinco favoritos não ganhou nenhum. E, o Prémio Nobel da Literatura em 2016 vai para Bob Dylan… O senhor que escreveu a minha canção.

Bob Dylan foi premiado “por ter criado novas expressões poéticas na tradição da canção americana”, tal como anunciado pela secretária-geral da Academia, Sara Danius. read more

Palavras Soltas: Escrevo porque sim

palavras-soltas-escrevo-porque-sim

Porque quero escrever um livro? Porque sim.

Não há motivo melhor para querer escrever um livro do que querer escrever um livro. (tweet this)

Não preciso de justificações, nem necessito defender a minha posição, ou elaborar sobre os motivos. Esta é uma daquelas situações em que o ‘porque sim’ basta. read more

Palavras Soltas: A (minha) Síndrome do Impostor

síndrome de impostor

Como escritores debatemo-nos amiúde com as complicações da mente. Da nossa e dos outros.

A nossa arte manifesta-se, exactamente, sobre as questões que colocamos, e as diferentes respostas que encontramos para as nossas escolhas tão humanas. read more

Palavras Soltas: Agora, imagina que desejavas começar a escrever

começar a escrever

Imagina-te com setenta anos. Imagina que viveste uma vida de trabalho físico, sem grande contacto com a escrita. Imagina que sempre tiveste mais apetência para os números do que para as letras. Para ti, os números faziam sentido, tinham regras imutáveis. As letras, não. Apesar de sempre teres lido bastante, cingias-te a leituras sobre assuntos práticos. A vida havia sido demasiado prática em detrimento de ficcional.

Consegues imaginar? Calçar esse par de sapatos? read more